segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

O Professor Darwin Felix


No desolador quadro educacional brasileiro é sempre bom referenciar alguns nomes de educadores que foram expoentes neste ofício no Vale do Paraíba e que nos inspiram a acreditar que podemos fazer a diferença. Um bom exemplo é a figura de Darwin Felix. Nascido em Guaratinguetá, no dia 2 de setembro de 1890, ele era filho do Prof. José Felix e de Maria Lemes Felix. A exemplo do pai, Darwin enveredou-se pela lide educacional e acabou por se notabilizar como um dos grandes e célebres professores do Vale do Paraíba, tendo atuado nas cidades de Cunha, Guaratinguetá, Jaboticabal, Mogi das Cruzes e Limeira. Após o seu falecimento, em 20 de fevereiro de 1955, teve seu nome perpetuado na fachada do Grupo Escolar do Município de Piquete, em 1 de agosto daquele mesmo ano.

O Professor
Darwin Félix iniciou sua carreira como professor em 1910 em Cunha, no bairro do Cedro. Logo conquistou o reconhecimento dos cidadãos e das autoridades locais. Tanto que quando de lá se removeu, segundo o Professor Aydano Leite, o Dr.  Casemiro da Rocha, chefe politico do município, endereçou-lhe uma carta lamentando sua transferência e da qual destacamos o seguinte trecho:

“Sinceramente, lastimo a sua mudança dêste munícipio, onde havia criado tantas afeições e estima pela sua conduta e pelo exato cumprimento do dever. Sinto ver a escola perder tão valioso mestre.”(LEITE. 1967.)

Em 1918, chefiou uma caravana de escoteiros que saiu de Santos com destino ao Rio de Janeiro, tendo acompanhando-os até o litoral. Nesta ocasião pode demonstrar outra aptidão sua: a culinária. Como entendia e gostava da arte da culinária, ele foi um dos membros destacados para a cozinha.
Sobre esta passagem, no Correio Popular de outubro de 1918, nós encontramos o seguinte tópico do discurso de Nero Sena quando recepcionava os escoteiros de seu regresso:

“ O Prof. Darwin Félix, jovem cujo bom conceito está formado na sociedade em que vive como homem e professor decidiu acompanhar os escoteiros na arriscada jornada, mostrando-lhes como professor competente que é as belezas e contrastes dos grandes reinos da natureza” (LEITE, 1967.)

Em 1921, foi nomeado para as cadeiras de História e Geografia na Escola Complementar de Guaratinguetá. Leciona também em Jaboticabal, e depois Mogi das Cruzes e ainda em Limeira, em 1929, quando torna-se fiscal em comissão da Escola Normal.

Em 1932, não ficou indiferente ao movimento constitucionalista e alistou-se voluntariamente no destacamento comando pelo Tenente Coronel Mário de Abreu, onde prestou serviços para os quais fora designado. Nunca reclamou os benefícios de ordem material que a Constituição outorgou aos que, como ele, participaram da revolução. (LEITE, 1967.)

Depois de mais de 30 anos de exercício da profissão foi aposentado por decreto de 7 de outubro de 1943. A Congregação da Escola Normal homenageou-o oferecendo lhe um jantar durante o qual os oradores reviveram os bons tempos de convívio. A imprensa local manifestou-se elogiosamente a sua atuação (O ECO).

O Homem
Era conhecido pelo seus parentes e amigos íntimos como “Mimi” alegre, espirituoso, gostava de poesia, de música e de flores. Cultivava com especial capricho e carinho suas flores prediletas: o crisântemo e a rosa. O seu jardim era cobiçado e admirado por todos que passavam pela sua propriedade, principalmente de bonde, de onde viam perfeitamente, canteiros simétricos, ostentando os mais belos espécimes de crisântemos e da rainha das flores. Seu esporte predileto era caminhar a pé, o que fazia quase todos os dias.

Morreu solteiro, embora pretende-se formar-se em medicina e casar-se. Já tinha sua eleita, mas o matrimônio não prosperou. A morte dos pais, no curto período de 7 meses, mudou completamente o curso de sua vida. Ele teve então optou por assumir a criação e a educação de seus irmãos e irmãs mais jovens, e de uma sobrinha que ficou órfã aos 8 anos de idade.

Darwin Félix, foi homenageado pelo poeta Ferreira Junior de Guaratinguetá em uma poesia intitulada Saudade:

“Saudade! Eu sei que tu às vezes me maltratas,
Mas em compensação me levas onde eu quero...
E além vou vou revivendo as celestiais oblatas,
As cinzas revolvendo ao que me foi sincero!

Saudade que me dás recordações tão gratas
Dos idos juvenis que com ardor venero,
Das noites de luar, das ternas serenatas
Que tempo consumiu no transcorer austero!...

Saudade tenho até das cálidas tertulias,
O espirito a solver do atrito ideais fagulhas
A discutir Voltaire e Bacon, Bayron, Brandes...

Saudade dos febrís, heroicos pigmeus,
Mas que lutaram tanto e se fizeram grandes
Na fé e no dever, glorificando Deus!” (FERREIRA JUNIOR, 1961)

O Grupo Escolar
A escola que hoje leva o nome do Professor Darwin Felix, começou suas atividades em um prédio particular na Rua Capitão José de Brito sob o nome de “Grupo Escolar da Vila Esperança”. E em 1 de agosto de 1955, passou a chamar-se Grupo Escolar "Prof. Darwin Felix”, em homenagem a esse educador. Em 1971, foi criado o Ginásio Estadual de Piquete, anexo ao já existente Grupo Escolar. Da fusão nasceu, em ano de 1972, A Unidade Integrada “Prof. Darwin Felix”.
Com a criação do Ensino Fundamental foi oficializada pela publicação do Decreto SE13/76 no DOE de 23/01/1976; a criação do Ensino Médio foi oficializada pela publicação do Decreto SE 37/96 no DOE de 25/04/1976, p 9 e 17 e a criação do Ensino de Jovens e Adultos o (EJA) foi oficializado pela publicação da Resolução SE 1937 no DOE de 25/04/1996, p 9 e 17.

As reformas instituídas durante várias administrações estaduais, fizeram o nome do estabelecimento mudar para EEPG “Prof. Darwin Felix” e atualmente E.E. “Prof. Darwin Felix”, situada na Rua Quintino Bocaiuva, 406 na Vila Esperança.
Segundo informações da direção da escola, até o ano letivo de 2012, a escola mantinha 19 classes em funcionamento com um total de 580 alunos, com ensino fundamental, Ensino Médio diurno e noturno e o EJA “Educação de Jovens e Adultos’ no período da noite”.
A missão da Escola é contribuir para a constante melhoria das condições educacionais da população, visando assegurar uma educação de qualidade aos alunos em um ambiente criativo, inovador e de respeito ao próximo, valorizando o bom convívio e trazendo a família para participar e acompanhar as atividades educativas desenvolvidas na escola.
Em seu Projeto Político Pedagógico, a Escola assume inteiramente um compromisso com a conscientização, transformação sociocultural da comunidade, concordando com o fato de que a educação é prioridade e que a diversidade regional não se configura como barreira para adoção de propostas e ações pedagógicas inovadoras que sirvam de norte para a prática educativa.


Considerações Finais
Por sua conduta irrepreensível, pela estreita observância da disciplina escolar, pela cordialidade com que sempre tratou os colegas, Darwin Félix foi reconhecido como referência de profissional por seus pares. Já por sua distinção e bondade, pelo exemplo de retidão da sua vida pública e particular foi reconhecido por seus alunos.
Enfim, era considerado por seus alunos e colegas como um homem distinto, reto e bondoso. Como mestre, que tinha sua profissão como digna e referência de valores perenes para a sociedade através da instrução dos mais jovens, também era tido como severo, pois sempre se mantinha firme em suas decisões.

Referências

ACERVO E BIBLIOTECA DO MUSEU FREI GALVÃO DE GUARATINGUETÁ
ACERVO E BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE ESTUDOS VALEPARAIBANOS
ARQUIVO DA ESCOLA ESTADUAL “PROF. DARWIN FÉLIX”
FERREIRA JUNIOR, A. Essencias da Vida. 2º Ed. Guaratinguetá, 1961
LEITE, Aydano. Vultos do presente e do passado. Guaratinguetá, 1967.