terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Documento 1964: Para não esquecer...I

Neste ano não podemos esquecer-nos dos horrores da ditadura militar que completa seus 50 anos. Esta que teve seu inicio em 1964, em um conturbado momento da política nacional. 
Para ilustrar esta ideia traremos algumas fontes, documentos, fotos, videos e reportagens que marcaram essa época. E para abrir esta proposta, apresentamos aqui o fragmento de uma entrevista concedida pelo Prof. José Luiz Pasin ao Jornal UNISAL em maio de 2004.

“Eu era professor de História do Brasil, e, na época, contestava as declarações do ministro da Fazenda Delfim Neto, que fazia toda a apologia de que nós seríamos um novo Japão, aquela ufania do Brasil maior. Foi nesse contexto de agitação política na faculdade, aulas contestadoras, debates, que nós começamos a ser vistos como subversivos, embora eu não tivesse qualquer ligação com o Partido Comunista ou o Socialista, pois nunca acreditei nas ideologias. Em 1970, já sob o governo de Emílio Garrastazu Médici, depois de várias intervenções aqui na Faculdade, várias convocações de alunos e professores para depor na Polícia Federal, nós fomos presos na madrugada de 1º para 2 de novembro, e recolhidos no quartel do 5º Regimento de Infantaria de Lorena. [...] Ficamos presos alguns dias no quartel de Lorena, em função de boatos de que iríamos provocar uma série de atentados na região, o que era totalmente absurdo, pois nosso papel era apenas contestador.



Prof. José Luiz Pasin - 1977 
Foto: Museu Frei Galvão



Durante este ano estaremos aqui trazendo fatos ocorridos no Vale do Paraíba durante esses conturbados anos de repressão militar. Apresentando detalhes da participação da nossa região. Aqueles que puderem colaborar com informações, por gentileza, envie para o e-mail: diego@iev.org.br

Um comentário:

  1. José Luíz Pasin fez parte da Geração Beatnik do Vale do Paraíba, inclusive lançou alguns livros de poesia marginal. Tem um documentário de Marcela Freitas que fala dessa fase "marginal" de Pasin, fase que os conservadores de plantão tentam esconder.

    ResponderExcluir