segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

"Chico Barbosa" O Jornalista da Literatura.

Com a aproximação do centenário de nascimento do acadêmico Francisco de Assis Barbosa, que ocorrerá em 2014, fica perceptível a necessidade de renascer das cinzas o personagem e suas obras, pela fundamental importância que teve no cenário cultural brasileiro entre as décadas de 1930 e 1970. Notadamente por suas obras enfeixadas em livro, como pelos seus escritos esparsos pela imprensa brasileira, particularmente na carioca, que foi o berço da comunhão entre a imprensa e a divulgação literária, no período em que fervilhavam, em certo sentido, os suplementos litero-culturais (1940-1960). E o presente texto, entre outras finalidades, pretende sinalizar sua representação e provocar os colegas valeparaibanos para o desenvolvimento de uma biografia consistente e digna desse importante intelectual.




Entrega de prêmios culturais celebram 40 anos do Instituto de Estudos Valeparaibanos



A cerimônia de entrega dos Prêmios Culturais do Instituto de Estudos Valeparaibanos, edição 2013, realizada na tarde do dia 30 de novembro, no Salão do Juri do Centro Unisal, em Lorena-SP, teve um toque mais que especial: a celebração dos 40 anos de atividades da entidade.
Durante a solenidade, foram entregues cinco prêmios:

Considerado o "livro do ano", a obra Grandes Escritores do Vale do Paraíba, organizada pelo Prof. Alexandre Marcos Lourenço Barbosa, recebeu o troféu Eugênia Sereno. O prêmio é concedido, anualmente, desde sua criação, em 1984, e, pela terceira vez, Alexandre Barbosa o recebe.

A Distinção Cultural "Paulo Camilher Florençano" coube a Gil do Jongo, da cidade de Piquete-SP, pelo seu esforço em favor da preservação memória regional e divulgação da cultura imaterial do Jongo.

Há muitos anos na estrada defendendo o desenvolvimento preservacionista do Vale do Paraíba, o ambientalista Luiz Eduardo Corrêa Lima recebeu, meritoriamente, o Prêmio Ambiental "Prof. José Luiz Pasin".

Agraciado com a Medalha de Mérito "Paulo Pereira dos Reis", o Prof. Nelson Pesciotta, recebeu, emocionado, a distinção que coube a ele criar durante o período de mais de vinte anos que esteve à frente, como presidente, do Instituto de Estudos Valeparaibanos. O prêmio também foi conferido em reconhecimento ao seu desempenho profissional.

O Prêmio IEV de Mídia Cultural, destinado a pessoa ou instituição que mantenha sistematicamente um programa de difusão cultural legitimamente valeparaibano, utilizando-se de mídia eletrônica, foi conferido à TV Cidade de Taubaté, pelo programa "Fábrica de Documentários", dirigido por Cláudia Perroni Mello.


Também foram premiados, com a Medalha de Mérito, lembrando os 40 anos do IEV, igual número de profissionais de destaque na investigação e disseminação de conhecimentos sobre a região do Vale do Paraíba.


Prof. Nelson Pesciotta e eu



Membros Fundadores e Membros da atual Diretoria

Receberam a medalha os membros-fundadores do IEV, os membros da atual diretoria e outros nomes que atenderam aos quesitos da premiação.


São eles: Alexandre Marcos Lourenço Barbosa; Andréia Auxiliadora Marcondes de Paula; Angélica Maria Villela Rebello Santos; Antônio Carlos Monteiro Chaves; Antônio Tadeu de Miranda Alves; Aparecida Gonçalves Uchoas; Armindo Boll; Benedito Carlos Marcondes Coelho; Benedito Sérgio Lencioni; Catarina A. Vieira Vilela; Cybelle M. de Ipanema; Diego Amaro de Almeida; Eddy Carlos Souza Vicente; Efigênia Augusta de Freitas; Fábio Garcia dos Reis; Francisco J. R. de Vasconcellos; Francisco José de Castro Fortes; Francisco Sodero Toledo; Henrique Alckmin Prudente; Humberto Felipe da Silva; Joaquim Roberto Fagundes; João José de Oliveira Veloso; José Antônio Bittencourt Ferraz; José Armando Zollner Machado; José Carlos Ferreira Maia; Juanita Leite Marcondes; Júlio César Fidelis; Luiz Eduardo Corrêa de Lima; Maria Aparecida Coupé Schmidt; Maria Aparecida Marton; Maria Celina Whately; Maria Heloisa G. F. Novaes; Mauro Castilho Gonçalves; Mônica da Costa; Nelson Pesciotta; Olga de Sá; Perpétua do Socorro Alves; Regina Kátia Rico Santos de Mendonça; Sônia Maria da Silva Gabriel; Teresa Maria Barbosa Rezende; Thereza Regina de Camargo Maia; Terezinha Paiva de Faria.


Texto: Jornal O Lince - http://www.jornalolince.com 

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Semana do Folclore - "História é Show"

Projeto “História é Show” e o grupo "Cantando Histórias e Contando Piolhos" realiza contação de história em escola da rede municipal de ensino de Guaratinguetá em comemoração da semana do folclore.


No dia 23 de agosto de 2013 realizou-se a comemoração da Semana do Folclore que contou com o projeto “História é Show” idealizado pelo Prof. Me. Davi Coura Borges (Membro IEV – Instituto de Estudos Valeparaibanos e Professor do Curso de Licenciatura em História do Centro UNISAL de Lorena). O evento aconteceu em parceria com a escola EMEIF. Profa. Francisca de Almeida Caloi no bairro da Pedrinhas, zona rural do município de Guaratinguetá.

Luiz Henrique, Rafaela Molina e Davi Coura

A apresentação do projeto “História é Show” foi incrementada com a contação de histórias pelo grupo "Cantando Histórias e Contando Piolhos", que falou sobre a  lenda da Pedra da Noite de autoria da Profa. Rafaela Molina de Paiva (Membro do IEV – Instituto de Estudos Valeparaibanos e aluna do curso de Licenciatura em História do UNISAL – Lorena) e Prof. Luiz Henrique Nascimento Leite ( aluno do curso de Licenciatura em História do UNISAL – Lorena).  A apresentação entusiasmou os alunos com a contextualização de aspectos  do folclore e da cultura valeparaibana de uma forma lúdica e agradável.



Rafaela e Luiz Henrique



e-mail para contato: rafaelamolina@iev.org.br

domingo, 18 de agosto de 2013

1ª Reunião da Comissão Organizadora do XXVIII Simpósio de História do Vale do Paraíba

1ª Reunião da Comissão Organizadora do XXVIII Simpósio de História do Vale do Paraíba "Música e História no Vale do Paraíba" em Cunha. O evento ocorrerá em julho de 2014 e promete comprometimento com os estudos Valeparaibanos além de uma grande festa que irá celebrar a rica cultura da nossa região. Parabéns ao Prof.Luis Henrique Guimarães - Presidente do XXVIII Simpósio e a Profa. Gabriela Velozo- Vice-Presidente deste evento e aos demais membros da comissão pelo ânimo e dedicação que nos contagia. 


Membros da Comissão Organizador do XXVIII Simpósio de História do Vale do Paraíba


Na ocasião representando o Instituto de Estudos Valeparaibanos estiveram presentes nosso Presidente Prof. Francisco Sodero Toledo, Profa. Rafaela Molina de Paiva e o Prof.Diego Amaro de Almeida. 

sábado, 22 de junho de 2013

Programação do XXVII Simpósio de História do Vale do Paraíba

Confira a programação do XXVII Simpósio de História do Vale do Paraíba


Para efetuar inscrição ou saber mais sobre o simpósio:

domingo, 26 de maio de 2013

XXVII Simpósio de História do Vale do Paraíba



O Instituto de Estudos Valeparaibanos e o Jornal O Lince, contando com uma ativa equipe de voluntários, realizam, em 2013, a 27ª edição do Simpósio de História do Vale do Paraíba, tendo a cidade de Aparecida como sede e as relações entre a Literatura e a História como tema.

Durante uma semana, pesquisadores, escritores, professores, estudantes e interessados no assunto terão a oportunidade de ampliar seus conhecimentos históricos, debater atuais e agudas questões envolvendo história e literatura, e assistir a apresentações artístico-culturais.

Entre os dias 22 e 27 de julho, nos períodos da manhã e da tarde, acontecerão 14 conferências, 15 mesas de debates e 30 comunicações acadêmicas envolvendo mais de 100 profissionais da pesquisa, desde o iniciante universitário até o experiente pesquisador e escritor.

As conferências de abertura e de encerramento acontecerão nos dias 22 e 27 de julho, respectivamente, enquanto as demais conferências foram concentradas nos dia 23, 24 e 25. As comunicações e as mesas de debates acontecerão nos dias 26 e 27.

As mesas de debates e as comunicações foram organizadas em cinco eixos que orientaram a definição dos temas. São três mesas e seis comunicações por eixo.

O simposista, diante da programação, escolherá o eixo que definirá a sala que freqüentará nos dias 26 e 27 de julho. O limite de vagas para cada sala é de 40 participantes. Uma vez preenchidas as vagas, o sistema automaticamente bloqueará novas inscrições, devendo o simposista escolher um eixo que apresente disponibilidade de vagas.

À noite, a partir das 19h.30min., de 23 a 25 de julho, o Umuarama Clube de Aparecida se transformará em palco para apresentações culturais de teatro, música e literatura.
Sete exposições incluindo pintura, fotografia, documentos e filatelia estarão montadas durante a semana do simpósio.

Seja bem-vindo!

Aparecida, maio de 2013.


Prof. Alexandre Marcos Lourenço Barbosa
Editor do Jornal O Lince e
Presidente do XXVII Simpósio de História
do Instituto de Estudos Valeparaibanos



terça-feira, 30 de abril de 2013

5ª Ação Pré-Simpósio do Instituto de Estudos Valeparaibanos


Restaurada e preservada pelos proprietários, a Fazenda São Francisco, em São José do Barreiro, é a única atualmente existente no Vale do Paraíba construída durante o período colonial brasileiro. 
No dia 25 de maio, Eliana e Walton Ferreira Leite, os proprietários da fazenda bicentenária, receberão um grupo de 50 pessoas para uma visita monitorada em suas dependências. As vagas serão preenchidas por ordem de inscrição e estarão abertas em breve.





Ana Lygia dos Santos será a palestrante do dia e falará sobre a obra de Alves Motta Sobrinho, o autor de “A Civilização do Café”, livro que o notabilizou.
Um almoço na casa principal, entre mobiliário, prataria e louças franceses, será oferecido aos participantes que, por adesão, estiverem presentes.
Após a palestra, especialistas conduzirão os visitantes pelos espaços históricos e de lazer da fazenda.
Uma homenagem será prestada a Dona Marly Freire Ayrosa. Professora aposentada, que desde o falecimento do seu irmão, Josias de Marins Freire, que era mais conhecido como "Tio Dego Marins", em 2006, cuida do memorial, localizado na casa onde o artista mantinha seu escritório. O acervo contém livros, fotografias, objetos e documentos dessa personalidade que foi um político e seresteiro de São José do Barreiro, tendo inclusive construído uma praça chamada "Praça da Seresta".

Fonte: Jornal O Lince
Colaboração: Andréia Marcondes

4ª Ação Pré-Simpósio do Instituto de Estudos Valeparaibanos


"História e Literatura : Crônicas na imprensa periódica"

Data: 09 de maio de 2013 (quinta)
Horário: 19h as 21h
Local: Rua Visconde do Rio Branco n. 22 - centro - Taubaté - SP
Auditório Faculdade Ciências Sociais e Letras - Taubaté

EVENTO REALIZADO PELO INSTITUTO DE ESTUDOS VALEPARAIBANOS E JORNAL O LINCE.

Neste evento receberemos a exposição itinerante "Grandes Escritores do Vale".
Também será feito uma Homenagem ao Prof.Nelson Pesciotta.

Mesa Redonda formada por :

. Prof.Dr. André Campos - Mestre e Doutor em Teoria Literária pela UNICAMP e USP
. Prof.Dr. Robson Bastos - Depto. de Comunicação Social - UNITAU
. Profa. Dra. Eliane Freire - Depto. de Comunicação Sociall - UNITAU
Mediador : Prof.Dr. Mauro Castilho Gonçalves - Coordenador CDPH/UNITAU, membro IEV

Inscrições gratuitas pelo email: simposio@valedoparaiba.com
Assunto: Pré Simpósio Taubaté
Enviar : Nome, email,endereço,telefone, instituição no qual faz parte.

Prof. Nelson Pesciotta - Foto: Jeff Martins

Prof. Nelson Pesciotta, é natural de Campinas, onde nasceu a 3 de novembro de 1923.. Seus pais, Generoso e Hermínia, moravam em Pindamonangaba, onde viveu infância e juventude..Reside em Lorena desde 1953, atualmente na Rua Presidente Roosevelt, 98, ap. 202, CEP 12606-290.
De família operária, fez os cursos primário (no Externato de S. José) e ginasial em Pindamonhangaba (no Ginásio Municipal), o curso normal em Taubaté e o curso superior de filosofia em Campinas, na primeira turma da PUCAMP - 1945. É também bacharel em direito pela Faculdade de Direito de Taubaté – 1967.
No seu meio século de magistério foi orientador educacional, professor de sociologia, diretor de escola, supervisor de ensino, além de lecionar no ensino superior em Taubaté, Guaratinguetá, Lorena e Cruzeiro. Como supervisor de ensino atuou no antigo ensino secundário e normal em todas as cidades do Vale do Paraíba, tendo se aposentado quando trabalhava, em 1981, na Delegacia de Ensino de Pindamonhangaba.
Com Rômulo Campos D’Arace fundou, em Pindamonhangaba, o jornal “Sete Dias” (1947) e o Rotary Club (1950) .
Participou do grupo fundador da Unitau, em 1976, da qual foi titular da cadeira de Sociologia e Pró-reitor de Graduação. No ensino secundário foi um dos fundadores da UDEMO. No ensino superior lecionou Sociologia da Administração, Sociologia da Educação e disciplinas pedagógicas.
Tem registros profissionais de jornalista e de sociólogo. Atua no movimento ambientalista da região, já tendo ocupado, em tal condição, a vice-presidência do Comitê de Bacias do Rio Paraíba do Sul.
Foi um dos fundadores da Sociedade dos Amigos da Cultura de Lorena. Presidiu por mais de 20 anos o Instituto de Estudos Valeparaibanos, sediado em Lorena, e escreve semanalmente uma coluna para o jornal Guaypacaré, da mesma cidade..
Foi vereador de 1959 a 1968, tendo por duas vezes presidido a Câmara Municipal de Lorena. Leva seu nome o Colégio Técnico da USP (antiga Faenquil) de Lorena É vice- presidente e um dos fundadores da Academia de Letras de Lorena, membro correspondente da Academia de Letras de Campos do Jordão e membro honorário da Academia Pindamonhangabense de Letras. É coordenador do Ponto de Cultura – NEPA (Núcleo de Educação Patrimonial e Ambiental) do IEV, Lorena.



domingo, 28 de abril de 2013

3ª Ação Pré-Simpósio do Instituto de Estudos Valeparaibanos



Chegamos à 3ª Ação Pré-Simpósio, realizada no dia 22 de abril de 2013, na Floresta Nacional de Lorena – FLONA. O evento contou com expressiva participação de professores, universitários e demais interessados no tema.
O IEV e o Jornal O Lince, em parceira, realizam o Simpósio que comemora 40 anos de fundação do Instituto.
Houve uma bela apresentação musical do professor Davi Coura Borges, que nos trouxe suas composições sobre o Vale do Paraíba. Sua participação traduziu em poesia a história e as belezas naturais da nossa região.

Davi Coura e Francisco Sodero 

A conferência do dia teve como tema: Literatura, Escola e Formação de Leitores, palestra proferida pelo Prof. Dr. Ricardo Azevedo[1].

Um dos textos citados pelo conferencista:
AQUILO (Ricardo de Azevedo)

Quando aquilo apareceu na cidade, teve gente que levou um susto.
Teve gente que caiu na risada.
Teve gente que tremeu de medo.
E gente que achou uma delícia.
E gente arrancando os cabelos.
E gente soltando rojões.
E gente mordendo a língua, perdendo o sono, gritando viva, roendo as unhas, batendo palma, fugindo apavorada e ainda gente ficando muito, muito, muito feliz.
Uns tinham certeza de que aquilo não podia ser de jeito nenhum.
Outros também tinham certeza. Disseram: — Viva! Que bom! Até que enfim!
Muitos ficaram preocupados. Exigiram que aquilo fosse proibido. Garantiram que aquilo era impossível. Que aquilo era errado. Que aquilo podia ser muito perigoso.
Outros, tranqüilos, festejaram, deram risada, comemoraram e, abraçados, saíram pelas ruas, cantando e dançando felizes da vida.
Alguns, inconformados, resolveram perseguir aquilo. Disseram que aquilo não valia nada. Disseram que era preciso acabar logo com aquilo ou, pelo menos, pegar e mandar aquilo para bem longe.
Muitos defenderam e elogiaram aquilo. Juraram que aquilo era bom. Que aquilo ia ser melhor para todos. Que esperavam aquilo faz tempo. Que aquilo era importante, bonito e precioso.
Alguém decidiu acabar com aquilo de qualquer jeito.
Mas outro alguém disse não!
E foi correndo esconder aquilo devagarinho no fundo do coração.



E como tem ocorrido nas atividades pré-simpósio, o Instituto de Estudos Valeparaibanos e o Jornal O Lince tem homenageado com o título de “Cidadão das Letras”, uma pessoa de destaque no campo literário, preferencialmente da cidade anfitriã.



Em Lorena, o escolhido para receber a homenagem in memorian foi o Professor Doutor Aroldo de Azevedo[2].
Em nome do Dr. Aroldo de Azevedo, seu filho Ricardo Azevedo, recebeu o título das mãos do Prof. Nelson Pesciotta, presidente de honra do IEV.

A senhora Teresa Aquino, representante da Câmara Municipal de Lorena, também entregou, ao Sr. Ricardo, uma homenagem do legislativo.

Ricardo Azevedo e Eu

O evento teve seu encerramento marcado com um belo passeio, por uma trilha da Floresta Nacional de Lorena. O trajeto culminou com a chegada às ruínas de um antigo campo de aviação, lugar este que recebeu outrora, o Presidente Getulio Vargas e o Presidente Eurico Gaspar Dutra.

Rafaela, Prof. Sodero, Profa. Sandra e eu

Parabenizo e registro aqui, como um dos representantes do IEV, meus agradecimentos aos organizadores e colaboradores do evento em Lorena, pela dedicação e empenho:

Alexandre Marcos Lourenço Barbosa – Presidente do XXVII Simpósio de História
Miguel von Behr – Chefe da Floresta Nacional de Lorena
José Tadeu Fonseca – Comissão de Organização do Simpósio
Andréia Marcondes – Comissão de Organização do Simpósio

Aos nossos alunos do Curso de Licenciatura em História do Centro UNISAL, que vem  colaborando nessas ações em preparação para XXVII Simpósio:

Árison Henrique de Assis Lopes
Bárbara de Andrade Silva
Iracema de Cássia Ramos de Almeida
Lorena Kelly Assunção Rodrigues de Souza
Luiz Henrique Nascimento Leite
Mariana de Lima Vaz Magalhães
Patricia Aparecida Barbosa da Silva
Patrícia Valim Aquila Monteiro Gama
Rafaela Molina de Paiva


Grupo reunido



[1] Ricardo Azevedo é autor de Um homem no sótão (Ática), O livro das palavras (Editora do Brasil), Contos e lendas de um vale encantado (Ática), Fragosas brenhas do mataréu (Ática), Não existe dor gostosa (Cia das Letrinhas), O leão da noite estrelada (Saraiva) e O motoqueiro que virou bicho (Moderna) entre outros livros para crianças e jovens. Tem obras publicadas na França, Alemanha, México, Portugal e Holanda. Bacharel em Comunicação Visual (FAAP), doutor em Letras (USP) e pesquisador na área da cultura popular.


[2] Advogado formado pela Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro, Aroldo de Azevedo licenciou-se em geografia e história pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (USP), tendo sido também um dos primeiros professores de geografia daquela universidade.
Foi também o primeiro grande autor de livros didáticos de geografia do Brasil, com mais de trinta títulos publicados, e marcou o ensino desta disciplina para várias gerações de estudantes.
Na década de 1930 Aroldo de Azevedo, já escritor de livros didáticos, toma conhecimento da Associação dos Geógrafos Brasileiros e começa uma intensa relação com a entidade. Em 1939 se torna secretário geral e em 1940 presidente da AGB.
É autor do primeiro mapa e de uma das primeiras classificações do relevo brasileiro.

domingo, 24 de março de 2013

Floresta Nacional de Lorena recebe terceira Ação Pré-Simpósio


Dia 22 de abril, segunda-feira, na Floresta Nacional de Lorena, a partir das 8h.
Conferência do dia:
"Literatura, Escola e Formação de Leitores"
com o Prof. Dr. Ricardo Azevedo, escritor traduzido em vários idiomas, com mais de trinta livros publicados e ganhador de quatro prêmios Jabuti.
Inscrições gratuitas abertas: simposio@valedoparaiba.com
Basta encaminhar nome e endereço completos, e-mail e telefone.


Prof. Dr. Ricardo Azevedo


Endereço: Av. Major Hermenegildo Antônio de Aquino, s/n - Horto Florestal - Bairro Parque das Rodovias - Lorena - SP - CEP 12605-610 

Telefone: (12) 3157-2449




Ver mapa maior

domingo, 17 de fevereiro de 2013

SENAC de Guaratinguetá recebe abertura do Pré-Simpósio do Instituto de Estudos Valeparaibanos

Acontecerá, no próximo dia 26 de fevereiro, no auditório do SENAC de Guaratinguetá, o evento de abertura do Pré-Simpósio do Instituto de Estudos Valeparaibanos que tem como tema “Literatura e História no Vale do Paraíba”.
A programação contará com a palestra “Marketing pessoal e sucesso editorial de Malba Tahan”, proferida pela Profa. Dra. Juraci Conceição de Faria (FE-UNICAMP), lançamento de selo comemorativo e abertura da exposição itinerante “Grandes Escritores do Vale do Paraíba”.
O evento terá início às 14 horas e os interessados em participar deverão fazer sua pré-inscrição pelo e-mail simposio@valedoparaiba.com. Na pré-inscrição deverá ser informado: nome completo, endereço completo, e-mail, telefone e instituição que representa (quando for o caso).
As atividades pré-simpósio ocorrerão mensalmente até o mês de junho e os participantes receberão certificados.
O XXVII Simpósio de História do Instituto de Estudos Valeparaibanos acontecerá entre os dias 22 e 27 de julho de 2013.

Assessoria de Imprensa do
XXVII Simpósio do Instituto de Estudos Valeparaibanos

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

100 anos do Escritor Taubateano "Paulo Camilher Florençano"


No ano em que o XXVII Simpósio de História do Vale do Paraíba trata da Literatura e História, não podíamos deixar de lembrar de um ilustre valeparaibano que completaria 100 anos em 2013. Para tanto, trago aqui um singelo texto biográfico que apresenta este professor, escritor defensor, da cultura e da história Valeparaibana.

Auto-retrato de Paulo Camilher Florençano
Fonte: Acervo do IEV
Paulo Camilher Florençano nasceu em Taubaté em 18 de abril de 1913, filho de Nicolau Florençano e Antonieta Camilher Florençano. Foi casado com a professora e poetisa Wanda Sarmento Florençano.

Cursou primeiras letras em sua cidade natal nos grupos escolares “Moreira Barros” e  “Lopes Chaves” e o Curso secundário  na Escola Normal de Taubaté. Era licenciado em desenho e história.
Foi professor primário e secundário de desenho e história na Escola Normal Municipal de Taubaté. Desenhista-projetista do Departamento de Educação Física e desenhista-chefe da Secção de Propaganda e Educação Sanitária do Departamento de Saúde em São Paulo. Foi ilustrador do Jornal “O Correio Paulistano” em São Paulo e colaborador de assuntos de história em diversos jornais paulistanos e cariocas. Identificou  uma construção setecentistas que mais tarde passou a abrigar o Museu “Casa Bandeirante”, na qual foi responsável pelo plano de recomposição do Ambiente Rural-Doméstico. Neste mesmo período foi criado o Museu da Casa do Grito, recomposição do ambiente de um “Pouso de Tropeiro”, o qual planejou e instalou. No Arquivo Histórico Municipal de São Paulo, tendo conseguiu reatar a publicação da “Revista do Arquivo” e colaborou na preservação de dois importantes edifícios do passado paulistano, o sobrado que pertenceu a Marquesa de Santos e o antigo Mercado Municipal de Santo Amaro.

Atuando com museólogo, planejou e dirigiu a instalação dos museus: “Regional de Ubatuba”, dos “Ciclos Sócio-econômicos do Vale do Paraíba” em Aparecida; do “Museu Municipal de Artes Plásticas” em Taubaté; “Arquivo Histórico Municipal ‘Felix Guisard Filho’” em Taubaté; “Dona Beja” em Araxá, Minas Gerais; de “Arte Brasileira” em Serra Negra, São Paulo; “Taubaté no Quadro da História do Brasil” em Taubaté e a reforma do Museu da Infância “Monteiro Lobato”, a fim de torná-lo o “Sítio do Pica-pau Amarelo”.

Foi Presidente da Seção de Museus, das Comissão de Cultura da Prefeitura Municipal de Taubaté, exerceu o cargo de diretor da Divisão de Museus e Arquivo Histórico da mesma cidade.

Como jornalista, foi diretor do jornal “A Mocidade” de Taubaté, ilustrador do jornal literário “O Roteiro” de São Paulo, ilustrador da seção de Turismo do Jornal o “Estado de São Paulo”; redator da “Revista do Arquivo”; colaborador da “Revista de Geografia” da USP; responsável pela organização geral da revista “Paulistânia”.

Recebeu várias medalhas e honrarias sendo as de maior destaque “Colar de D.Pedro I”, grande láurea recebida em sessão especial do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo” a comenda “Martin Afonso de Souza”, que lhe foi outorgada pelo Instituto Histórico e Geográfico Guarujá-Bertioga, entre outras.

Participou ativamente da Revolução Constitucionalista de 1932, foi sócio benemérito do Clube Piratininga, São Paulo; Sócio fundador do Clube dos “21 Irmãos Amigos de Taubaté” do qual também foi presidente; Membro fundador do “Instituto de Estudos Valeparaibanos” do qual também foi vice-presidente, atuou como vice - Presidente do “V Simpósio de História do Vale do Paraíba”e Membro do “Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.
O prof. Paulo Camilher Florençano faleceu em 27 de maio de 1988.

Desde 1991, um importante prêmio do Instituto de Estudos Valeparainos, recebe seu nome, o qual é destinado a destacar esforços pessoais ou institucionais em favor da memória regional, quer pela guarda e preservação dos bens culturais, quer pela defesa constante dos valores materiais ou imateriais da cultura valeparaibana no ano corrente.

Livros Publicados
Nasce uma Metrópole
Álbum de Família
Roteiro de Ubatuba
A Bandeira e O Brasão de Taubaté
Gentil de Camargo – Poesia e Prosa
Cadernos de Cultura
Roteiros das velhas sedes de fazendas cafeeiras
A Comarca de Taubaté

Os dados biográficos consultados encontram-se disponíveis no acervo e biblioteca do Instituto de Estudos Valeparaibanos em Lorena.